• lb
  • fr
  • pt
  • en
  • de
  • Contribuir 

    HearHere Bonnevoie

    Image for the block

    Este audioguia HearHere foi criado para o Urban History Festival do Museu da Cidade, que terá lugar nos dias 8 e 9 de junho de 2024 no bairro Bonnevoie, na cidade do Luxemburgo.

    A audioguia também está acessível através do número de telefone gratuito (+352 800 81 292) com traduções em luxemburguês, francês, português e inglês. Nos locais onde se desenrolaram estas histórias, encontram-se placas com o número de telefone.

    Este projeto segue a iniciativa de Ariel Beaujot (HearHere EUA) e Michelle Hamilton (HearHere Canadá).

    Site 1:

    Igreja Católica Marie Reine de la Paix

     

    Neste clipe de áudio, ouvirá Paul Sinner descrever-lhe como era a Igreja Católica Marie Reine de la Paix em 1951.

     

     

    A igreja foi atingida por uma bomba no dia 9 de agosto de 1944. Não tendo como ser reparada, foi projetada uma nova construção, cuja primeira pedra foi colocada no dia 23 de outubro de 1949. No dia 1 de julho de 1951, foi celebrada a primeira missa nessa igreja nova. Neste ano, a celebração da primeira comunhão ocorreu durante vários domingos seguidos após a Páscoa. Cerca de 150 crianças fizeram a primeira comunhão devido ao crescimento da congregação. A antiga capela não teria recebido tanta gente.”

     

     

    “No interior da igreja, as coisas eram bastante incomuns. O piso era composto por cimento e não havia um teto, o que tornava a estrutura de madeira visível. Uma coroa de cerca de dois metros e meio de comprimento, formada por barras montadas e entrelaçadas em tule, estava suspensa sobre essa estrutura de madeira. Nas extremidades da cruz, havia longas cortinas que se estendiam entre a nave e o transecto. Este foi o cenário da celebração inaugural na nova igreja. Como eu já disse antes, não havia chão e as janelas estavam cobertas de plástico porque ainda não havia vidros. Estava bastante frio naquele dia.”

    Image for the block

    Site 2:

    Banannefabrik

     

    Neste clipe de áudio, Serge Tonar explica-lhe porque é que a Banannefabrik tem esse nome.

     

     

    “Aqui, em frente à “Banannenfabrik”, ainda se vê a placa original “Bananes Chiquita”. Antigamente era um armazém de frutas e legumes, e os habitantes chamavam-no “Banannenfabrik”. As bananas não eram produzidas aqui, mas chamavam-no assim na mesma. Nos anos 90, surgiram o grupo de artistas “MASKéNADA” e diversas associações culturais para introduzir a arte e a criatividade neste espaço cultural. Foram instalados espaços para ensaios e escritórios. O projeto enfrentou dificuldades até 2011, ano em que as portas da “Banannenfabrik” foram finalmente abertas ao público, na sua configuração atual.”

     

    No segmento áudio seguinte, Bernard Baumgarten descreve-lhe os primórdios da Bananefabrik.

     

     

    “Em suma, a “Banannenfabrik” é um local de criação e exploração interdisciplinar. Tudo começou em 2007 com a “Europa Kulturstad”, quando Luxemburgo e a Grande Região foram nomeadas como Capitais Europeias da Cultura. Em 2007, criamos o Dance Palast, que oferece um espaço criativo para os artistas, convidando o público a assistir ao processo criativo. O acento foi colocado nas artes performativas: teatro, dança, instalações, música e pintura. Em 2007, 18 companhias vieram trabalhar aqui por 6 meses. É claro que a casa não foi totalmente reformada como está atualmente. No entanto, foi o primeiro espaço criativo independente que tivemos no Luxemburgo. Após o êxito e a demonstração de que o público estava interessado no processo criativo, o Ministério, com os edifícios públicos, decidiu remodelar o “Banannenfabrik”. Assim sendo, desde 2011, tem sido aberto ao público para diversos eventos. É, acima de tudo, um local onde os artistas têm a oportunidade de trabalhar e trocar ideias. O Banannenfabrik oferece cursos de formação, facilita a pesquisa e incentiva uma interação significativa entre os artistas e o público.”

    Image for the block

    Site 3:

    Parteira

     

    Neste clipe de áudio, Geneviève Hornick-Hoffmann fala-lhe um pouco sobre a parteira que viveu aqui.

     

     

    “Estamos aqui na rua de Hesperange, na frente da casa número 45, onde morava a Senhora Thoma. Era uma parteira qualificada e uma mulher muito extraordinária. Realizou o parto de quase todas as crianças de Bonnevoie nos anos 50 e 60.

    Image for the block

    Site 4:

    Os Lusitanos

     

    Neste clipe de áudio, João Alves fala-lhe do clube Os Lusitanos.

     

     

    “Encontra-se no local onde os membros da Associação Os Lusitanos se reúnem. Fundado em 25 de abril de 1974, o clube oferece uma variedade de atividades que incluem futebol, atletismo, dança e muito mais. O objetivo principal do clube é divertir! Depois de um dia longo, os sócios se reúnem para uma refeição, comendo pratos portugueses que trazem boas lembranças. Na sala antiga, há prateleiras enfeitadas com troféus das competições em que o clube participou ao longo dos anos. Durante a pandemia, a associação enfrentou dificuldades e teve que se reorganizar. No entanto, a sua principal função permanece a mesma: reunir pessoas de todas as idades e celebrar a cultura portuguesa.”

     

    No segmento áudio que se segue, António de Almeida Gomes descreve-lhe as actividades de Os Lusitanos.

     

     

    “A associação Os Lusitanos está prestes a completar 50 anos, um clube relevante para muitos portugueses. É um lugar de encontro onde as pessoas se reúnem para saborear um lanche, jogar cartas e sentir um sentimento de união com a comunidade portuguesa. Toda a gente é bem-vinda à associação, seja português ou não.”

    Image for the block

    Site 5:

    Sucateiro Puls

     

    Neste clipe de áudio, Geneviève Hornick-Hoffmann conta-lhe as suas memórias de infância do sucateiro.

     

     

    “Estamos na rua Jean Jacoby, onde o sucateiro Pultz estava estabelecido. Quando éramos crianças, adoravamos explorar esta área, remexendo nas sebes e recolhendo lixo por todo o lado. É claro que tudo o que fosse de metal era entregue ao Sr. Pultz, que sempre foi muito simpático connosco, crianças. Cada um de nós recebia uma moeda de prata, que era rapidamente utilizada para comprar rebuçados na Rua Nicolas Martha.”

    Image for the block

    Site 6:

    Gaart an Heem

     

    Neste clipe de áudio, Maurice Kirsch fala-nos das primeiras hortas comunitárias de Bonnevoie.

     

     

    “Após a Segunda Guerra Mundial, a maioria dos jardins do bairro de Bonnevoie, que se estendia do centro até o Bongsechgewan, foi utilizada para construir habitações. Assim sendo, analisamos as possibilidades de criar jardins. Contatamos associações internacionais de horticultura com experiência neste domínio. Em 1947, essa cooperação levou à decisão de criar um projeto de cidade-jardim semelhante ao de Basileia, na Suíça. Foram feitas negociações com agricultores para adquirir terrenos agrícolas perto de Bonnevoie. Em 1949, as primeiras escrituras notariais foram assinadas e os trabalhos começaram com grande entusiasmo. No início dos anos 50, comemoramos a criação da primeira Cité Jardinière du Luxembourg, cujo nome foi dado ao seu fundador, Nic Krier, e na qual todas as propriedades eram compartilhadas. Inaugurámos com os nossos amigos suíços, que foram os mecenas do projeto.”

     

     

    Encontra-se atualmente na frente do Chalet du Gaart an Heem de Bonnevoie, que foi criado em 13 de dezembro de 1925 como um jardim botânico para Hollerich Bonnevoie e, recentemente, rebatizado Gaart an Heem Bouneweg asbl. Atualmente, temos cerca de 80 jardins, a maioria dos quais é de propriedade privada. Alguns deles também são alugados pelo clube e outros pela Arbo-Praxis da cidade de Luxemburgo. O que é bom no bairro é que temos uma grande variedade de nacionalidades, o que, às vezes, pode dificultar a comunicação com um vizinho que fala outra língua. Contudo, isso também favorece o intercâmbio cultural sobre jardinagem e outros assuntos.”

    Image for the block

    Site 7:

    Parque Kaltreis

     

    Neste clipe de áudio, Geneviève Hornick-Hoffmann descreve o aspeto do parque na década de 1970.

     

     

    “Estamos aqui no Kaltreis, um parque encantador que fica perto do lago, onde os patos nadam e as rãs cospem água. Era o nosso parque infantil. Ele estava meio amolecido e irregular, pois, por baixo da vegetação selvagem, havia pedaços de betão dos abrigos subterrâneos que foram demolidos no local após a Segunda Guerra Mundial e, depois, simplesmente deixados ali.”

    Image for the block

    Site 8:

    Rosa Letzebuerg

     

    Neste clipe de áudio, François Diderrich fala sobre o primeiro gabinete para a comunidade LGBTQI+ aqui em Bonnevoie.

     

     

    “Estamos na frente do número 60 da rua des Romains, em Bonnevoie. O CIGALE e a Rosa Lëtzebuerg asbl estiveram sediados aqui entre 2002 e 2013. O centro é destinado a todas as pessoas que se identificam como LGBTQI+, ou seja, lésbicas, bissexuais, transgéneros, transsexuais, queer, etc. A criação do CIGALE em 2022 marcou uma estreia no Luxemburgo, oferecendo um local onde pessoas LGBTQI+ podem encontrar informações, obter aconselhamento ou solicitar ajuda. O CIGALE foi criado por Rosa Lëtzebuerg, que assumiu o projeto por um acordo com o Ministério da Família. Rosa Lëtzebuerg é uma entidade que luta pelos direitos das pessoas LGBTQI+. Pela primeira vez desde 1996, a Rosa Lëtzebuerg tem instalações no número 60, que partilha com o CIGALE. O objetivo principal da associação é a igualdade jurídica para todos os indivíduos e casais e a luta contra a discriminação sexual ou de gênero.”

     

     

    “No número 60, compartilhamos momentos marcantes. Por exemplo, foram exibidos filmes interculturais em festivais, houve conferências e reuniões de comissões aqui, jornalistas fizeram entrevistas e todos podiam pedir livros emprestados na biblioteca. Rosa Lëtzebuerg é mais conhecida pelo público graças à Gay Pride, originalmente chamada Gay Mat. Desde 1999 celebramos o Orgulho Gay todos os anos em julho. Durante vários anos, teve lugar na Place d’Armes, mas há mais de uma década que se realiza em Esch-sur-Alzette, na frente da Câmara Municipal. É uma grande festa para todos, mas com uma mensagem relevante e séria: todos são iguais em dignidade e direitos.”

    Image for the block

    Agradecimentos

    Entrevistados

    João Alves

    Bernard Baumgarten

    Antonio De Almeida Gomes

    François Didderich

    Geneviève Hornick-Hoffmann

    Maurice Kirsch

    Paul Sinner

    Serge Tonnar

     

    Narradores

    Céline Offermans (luxemburguês)

    Noémie Montignie (francês)

    Daniela Arede (portuguese)

    Anne Hoffmann (inglês)

     

     

     

    Estamos gratos às pessoas de Bonnevoie por terem partilhado as suas histórias connosco e aos narradores pelo seu tempo para gravar o audiotour.

    As entrevistas foram conduzidas por Kyra Thielen, e as fotografias dos locais que figuram nesta página foram tiradas por Christof Weber.

     

    para a investigação

    As suas sugestões são importantes para nós porque ajudarão a mostrar uma perspetiva pessoal sobre o passado. O seu contributo tem informações importantes para a investigação histórica contínua no Luxemburgo.